segunda-feira, 3 de novembro de 2008

medianamente medríocre


Eu preciso ser mais egoísta, pensar mais só em mim. Eu ando, há tempos, me cobrando coerência. Preciso encontrar um meio termo razoável entre o que é bom e o que é correto SOMENTE à minha vida. Já passou da hora de ser feliz e normal. Ou fria e egoísta.

Ando me cobrando mais tolerância com as sacanagens dos outros, mas infelizmente o meu senso de justiça não me deixa viver em paz. E carrego comigo um mal-estar que fica logo ali, entre o dedão do pé e o último fio de cabelo da cabeça.

Tenho buscado novos modos, novas maneiras de viver a mesma vida que sempre me coube. No entanto, para que haja lugar para o novo, preciso despedir-me do velho, reconhecer sua morte pela perda de lugar e sentido, entender que partes de mim deixam também de existir e, ainda assim, compreender que não morro com elas.

Semana passada tive de ouvir, num tom de crítica, que não sou uma mulher comum. Foi quase como dizer: "pensar aqui não é permitido". Uma mulher que não é comum é mais difícil de manter sob controle. O que devo fazer? Tentar o caminho do meio? Ser mediana, quase normal?

Nem acima, nem abaixo, no meio. É assim que tem de ser. De preferência, usando bege, uma roupinha na moda, nada original, umas grifezinhas espalhadas, cabelinho bacana, e a mesmice estampada na cara.
Ser medianamente inteligente é permitido, só não pode ser original, não invente de ter opinião própria, faça-me o favor. Assim, você será apreciada no seu trabalho, na faculdade, nos amores e até na academia de ginástica.
Não, você não precisa ser medíocre. Só pareça ser.

2 comentários:

Raphael disse...

Da relva escura dos cinzas
Emergem pontos reluzentes
Envoltos em capas frias
Escondem seus dons latentes

Fujam daqui dizem os anciões
Fugere Urbem dizem os universitários
Corram e se escondam
Pois aqui habitam os que vivem com seus dobrões

Dani disse...

helô, mude a cor do seu blog,pois essa cor meio bege não combina com você! hehehe é brincadeira! beijos